MENSALÃO TUCANO. Procuradoria empurra para Ministério Público de Minas ‘caso Cemig’

Pelicano
Pelicano

Por que o jornalista Marco Aurélio Carone continua preso se tudo que escreveu está mais do que provado, inclusive faz parte de processos engavetados ou em julgamento?

O deputado federal Azeredo renunciou o mandato para ser julgado pela justiça amiga de Minas Gerais, cujos desembargadores nomeados por governadores tucanos prenderam Carone como terrorista perigoso, que põe em perigo a ordem pública e a campanha presidencial de Aécio Neves.

Latuff
Latuff

Noticia o jornal O Tempo:  Na denúncia do mensalão tucano, a Procuradoria Geral da República (PGR) deixou para o Ministério Público de Minas (MPMG) a incumbência de investigar e oferecer denúncia sobre o “caso Cemig”. Ao pedir 22 anos de prisão para o deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), a (PGR) não levou em conta o suposto desvio de R$ 1,67 milhão (R$ 4,4 milhões em valor atual) da estatal.

O dinheiro, segundo a Polícia Federal (PF) e a própria PGR, foi desviado de um contrato de publicidade da Cemig para financiar a reeleição de Azeredo ao governo de Minas em 1998.

Relatório da PF dedicou 25 páginas para detalhar o que considera ser a simulação de uma campanha educativa pela Cemig, por meio da SMP&B – uma das agências do empresário Marcos Valério. Segundo a PF, além da irregularidade na seleção da agência, o valor repassado pela Cemig à SMP&B foi exatamente o mesmo reproduzido na lista da movimentação financeira da campanha tucana ao governo. Para a polícia, “o esquema foi utilizado para desviar recursos públicos em benefício do comitê eleitoral” de Azeredo.

O episódio, contudo, ganhou apenas uma nota de rodapé na denúncia do procurador geral, Rodrigo Janot, divulgada na semana retrasada e baseada nos desvios de patrocínios fictícios feitos por um banco e duas estatais mineiras.

Na nota de rodapé, Janot afirma ter havido o desvio R$ 1,67 milhão da Cemig e diz que esse dinheiro abasteceu a campanha tucana. Contudo, alega não ter elementos para afirmar que Azeredo tenha ordenado o repasse. “Também houve desvio de recursos públicos da Cemig, no montante de R$ 1.673.981,90, para o financiamento da campanha. Entretanto, pelo menos por enquanto, não há prova do envolvimento direto de Eduardo Azeredo e de Walfrido dos Mares Guia, razão pelo qual o fato será objeto de denúncia na instância adequada”, escreveu Janot na denúncia. Com isso, a identificação de responsáveis no “caso Cemig” ficará a cargo do MPMG.

Frank
Frank

AUTORIZAÇÃO. Azeredo, que tem reiterado sua inocência, não quis comentar a decisão do procurador de excluir da denúncia do mensalão tucano as acusações envolvendo a Cemig. Azeredo diz que não autorizou nenhum repasse de verba pública que alimentou o caixa de sua campanha e, por isso, não pode ser responsabilizado.

Mas, na peça em que pede a condenação de Azeredo, a PGR afirma que houve desvio de recursos de outros três órgãos estaduais para abastecer os cofres da campanha com o consentimento do então governador.

Coincidências

Comuns. Para a Procuradoria Geral da República (PGR), o chamado mensalão tucano foi o embrião do esquema conhecido como mensalão do PT. O publicitário mineiro Marcos Valério e seus ex-sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach são figuras centrais nos dois escândalos.

Estratégia. Nos dois casos, as empresas de publicidade de Valério eram usadas para contratos fraudulentos com o poder público para desvio de recursos, envolvendo também bancos.

Diferença. Contudo, o mensalão tucano teria sido usado para financiar a campanha de reeleição de Eduardo Azeredo ao governo de Minas em 1998, enquanto o esquema petista foi para comprar apoio de parlamentares no Congresso.

Clésio

Próximo. A Procuradoria Geral da República também precisa enviar ao Supremo parecer sobre a participação do senador Clésio Andrade no esquema. Á época, ele era vice de Azeredo.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Um comentário sobre “MENSALÃO TUCANO. Procuradoria empurra para Ministério Público de Minas ‘caso Cemig’”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s