ANTINOMIA

por Mariana Rocha

Mariana Rocha
Mariana Rocha

Encontro-me no fim,
no vício pelo abstrato
Na obsessão pelo passado,
na fuga contínua de quem me quer bem
Comigo não permito levar nada,
além do orgulho de ser independente
Com a perda proposital
do que o Onipotente poderia me dar
Traço eu mesma meu fadário, meu porvir
Não possuo pudores ou covardia da vida
Não me interesso pelo interessante
E a pura autodestruição me satisfaz
Não imploro por piedade,
não almejo paciência,
Anseio o puro caos,
babel, discórdia
Desconhecedores me chamam
de muitos nomes
Lunática, Boderline, Paradoxo
Mas eu prefiro me intitular: Livre

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s