Um shopping ou hipermercado, em bairro residencial, fecha incontáveis pequenos estabalecimentos comerciais

O Brasil vive uma mania (modismo) de construção de shoppings e de multiplicação de hipermercados (os novos templos do capitalismo selvagem) como modelo de um progresso que desumaniza as cidades.

Podemos classificar os bairros em residenciais, aqueles nos quais prevalecem as residências; com pequenos comércios para facilitar a vida das pessoas, como padarias, açougues, quitandas e frutarias, lojas de presentes, etc. Nos comerciais prevalecem as lojas, são movimentados em razão do grande número de lojas que possuem, sendo que essas variam muito em todos os artigos, como lojas de sapatos, roupas, tecidos, brinquedos, materiais de construção, bancos, etc. Já os bairros industriais ficam mais afastados dos centros das cidades. Neles são encontradas as indústrias de alimentos, indústrias têxteis, de materiais de construção, produtos farmacêuticos, etc. (Jussara de Barros, pedagoga)

No novo Plano Diretor são criados espaços para comércios e serviços no pavimento térreo dos edifícios a serem construídos no centro da cidade e nos núcleos centrais de todos os bairros. O comércio e os serviços são dois dos principais fatores da humanização das cidades, atenuando as distâncias entre os espaços públicos e privados. Nas áreas em que o comércio é estimulado, portas, janelas e vitrines substituem as paredes cegas – que configuram verdadeiros “muros” para os transeuntes, transformando ruas e calçadas em locais de vivência e não apenas de passagens. O reconhecimento do papel dos pequenos estabelecimentos na qualidade dos espaços urbanos é um dos principais ganhos do novo plano diretor em relação ao regramento atual, que ignora completamente a necessidade dessa valorização.

Como e onde

As Áreas Mistas Centrais, AMCs, previstas para todos os bairros da cidade, priorizam a relação das áreas construídas com as ruas, estimulando o comércio e os serviços e estão presentes no conjunto dos mapas propostos pelo Plano Diretor. No artigo 30, define-se que os pequenos comércios e serviços devem integrar as áreas residenciais, permitindo legalizar centenas de estabelecimentos hoje colocados na marginalidade pela generalização das áreas exclusivas. (Plano Diretor de Florianópolis)

Leis de proteção

Precisamos criar leis para proteger os pequenos comerciantes. A exemplo da França:

Pour protéger le commerce de proximité, les lois de 1973 (loi Royer), de 1993 et de 1996 ont institué un régime d’autorisation pour les projets de création ou d’extension de magasins dépassant 300 m².

“Paris oeuvre depuis longtemps pour la sauvegarde du commerce de proximité“.

Un groupe de parlementaires a déposé une proposition de loi sur l’urbanisme commercial pour protéger le paysage urbain et les petits commerçants.

Entrées de ville défigurées par des centres commerciaux à ciel ouvert et centres-villes désertés par les commerces et condamnés à mourir à petit feu…

Nos shoppings brasileiros a permanência de apenas um hipermercado de alimentos, que monopoliza preços, produtos, inclusive a venda de bens culturais estrangeiros como livros, dvs, cds etc. Funciona, inclusive, uma farmácia, proibida por lei, mas estabelecida como uma empresa laranja. Nem preciso dizer que nem o nome é brasileiro.

Santa Maria, que viveu o fogo do crematório da boite Kisse, festeja um novo inferno

BRA_DSM hipermercado

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Um comentário sobre “Um shopping ou hipermercado, em bairro residencial, fecha incontáveis pequenos estabalecimentos comerciais”

  1. O planos diretores em muitas cidades ainda não estão prontos (algumas prefeituras nem sabem o que é isso).
    O rés-do-chão de qualquer edifício deveria estar destinado ao comércio. As rendas das pequenas lojas são muitas vezes de valores demasiado elevados. Os impostos das microempresas (padarias, lojas de roupas e afins, mini mercados, restaurantes e outros comercios idênticos) deveriam ser inferiores aos das médias e grandes empresas.
    Mas o Governo, (tanto estadual como da união) nem quer saber do desaparecimento das microempresas as quais são a maioria dos tecidos comerciais citadinos, existindo declaradamente descoordenação e falta de profissionalização em muitas prefeituras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s