Eu morri ontem

Antônimo de censura não é liberdade. Ainda que cada um de nós seja livre, aquilo que pensamos não está totalmente desvinculado daquilo que nos fazem pensar. Sinônimo de censura é ignorância, do verbo ignorar; é fingir-se atônito, afônico, passivo, deixar passar em sua porta os anais da cidade e continuar tomando no cu. Censura esta que nos é imposta por pessoas que continuam trancafiadas em suas clausulas pétreas, suas áureas, ruas alvas e seu conservadorismo.

.
Saudoso tempo das militâncias combativas, da política praticada na prática, sem tratados; sem acordos, acordões, desacordados. Saudosos dias suados, onde cidadania não cedia a esperteza. Saudosa, farta, mesa.
.
Esse pais já foi berço, mesmo que não esplendido, de grandes pobres vitoriosos, artistas franzinas lusófonas, já foi pai de escultores, musicistas, bailarinas, cidadãos de honra. Que luziam coroas de retidão, não ouro de outros. Já foi pátria amada, idolatrada, mas agora chegamos no salve, salve, salve o futuro de seus netos, pois com tanta ignorância dos incrédulos seus filhos ainda não verão o pais do futuro.
.
– deloriaaaaaaaan e porrada no console – não se censure, não se deixe censurar. São as balas do jornais, os paus de arara radiofônicos, as revistas abordantes, o choque de imagética, as bombas de semiótica, borrachas de apagar futuro. Elas querem fazer você pensar sem alterar o status quo.
.
Antes que seja tarde: grite porra, esperneie, relinche, mesmo que não saiba muito bem o porque. Chegou sua hora de ser ouvido, essa é a sua história, que será contada pelos que virão depois de você. Esse cálice está cheio de seu sangue. Beba agora. Decida sobre sua propria morte. Escolha quando vai morrer. Cave sua própria vala e diga: “ao menos eu sei onde vou morrer e você?”
Cale-se
________________________________________
TEXTO: FA
FOTO: Byron Prujansky – http://goo.gl/6GDkpgAUDIODESCRIÇÃO: ( Um policial da tropa de choque tem seu escudo apoiado no chão, ao seu lado está um manifestante com uma mascara de cavalo com um escudo feito de madeira apoiado ao chão com os dizeres: Pai, afasta de mim esse cale-se)

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

2 comentários em “Eu morri ontem”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s