Estou em um corredor

Felipe Mendes

por Felipe Mendes
Nunca vou esquecer desse corredor, do cheiro desse corredor, das pessoas desse corredor. Aqui está super lotado, o corredor ė só o inicio dessa grande emergência, as pessoas se acomodam em suas cadeiras, enroladas em seus cobertores, enroladas em seus medos, com seus braços já roxos estendidos, tomando seus medicamentos, de olhos fechados, ou com os olhos arregalados.
Nunca vou esquecer do barulho desse corredor, dos choros das crianças que parecem invadir seu cérebro, dos berros dos adultos, dos passos apressados dos enfermeiros e dos médicos, tentando atender as inúmeras mãos que se levantam pedindo ajuda, pedindo atenção.
Nada aqui está perto de ser fácil, tudo ė muito custoso, ė muito duro, muito complicado. Uma coisa ė certa, ninguém queria estar aqui, as pessoas queriam estar em suas casas, nas suas camas confortáveis, comendo suas refeições gostosas, não aqui, onde as luzes nunca apagam, onde o colchão virou cadeira, onde a comida ė sem gosto e enjoativa.
Quero ir embora, eu só penso nisso. A dona Maria na minha frente também quer ir, o seu Pedro reza dia e noite para sair por aquela enorme porta azul, a Cintia conversa no telefone com seus familiares e juntos fazem uma oração para isso acabar, o seu Antônio chega a sonhar que está em sua casa, longe, bem longe daqui. Todos querem ir embora.
Os dias por aqui são longos, custam a terminar, muita gente passa por esse corredor, pessoas que entram por aquela porta sem parar, pessoas que saem, rezando para não voltar, médicos esbarrando em enfermeiros, enfermeiros batendo nas cadeiras dos pacientes, pacientes batendo a cabeça em seus peitos, cochilando entre uma troca de medicamento e outra, cochilando entre um exame de sangue, ou uma eco.
Os dias são longos, mas, as noites são intermináveis, a madrugada passa bem diante da tua frente, e você não consegue se entregar, não consegue dormir, fechar os olhos, o movimento por aqui não para, nem as 4 da manhã.
Você sonha acordado. Eu sonho acordado, tempo todo, me imaginando fora daqui, me imaginando bem de verdade, sem nenhum problema de saúde, imaginando que eu nunca mais vou precisar passar por isso, sonhando com o dia que eu consiga esquecer desse corredor, desse corredor apesar de iluminado, escuro, completamente escuro.
Ė impossível não reparar quando alguém perdeu a luta, quando alguém perde essa batalha, ė impossível não perceber quando uma cadeira está vazia, quando a placa com o nome do seu Antônio ė tirada da parede, ninguém precisa dizer nada, está na cara de quem ficou, na cara dos enfermeiros, está no ar, o ar fica pesado, fica denso, fica tenso.
Com isso é difícil não ter medo, é impossível não se dar conta de que você também está jogando damas com a morte, que você também está lutando por sua vida, e por mais fė, e coragem que se tenha, algumas pessoas perdem essa batalha.
Eu não quero perder a minha, não antes de ganhar, não antes de ficar bem, não quero perder a batalha sentado nessa cadeira preta e brega, quero estar de pé, quero estar firme, quero ter feito meus 23 anos, quero ter realizado minha festa, junto com as pessoas que eu amo, quero ter dançado a madrugada inteira, quero ter ido para a praia, quero ter vivido um grande amor, quero ter ido no rodízio de pizza, quero ter comido muito sushi, quero viver, e não admito morrer, não admito que isso acabe, não admito sair dessa grande festa que ė a VIDA!
Vou rezar, vou orar, e vou continuar acreditando, e vocês também, continuem acreditando, e rezem por mim, por mim, pela dona Maria, pela Cintia, pelo seu José, por todos que estão aqui, que só desocupem as suas cadeiras se for para ganhar o mundo.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s