A verdadeira Julia Colle

julia foto inédita 2

Foi sepultada ontem, no final da tarde em Mairinque, sua terra natal, a ativista dos direitos dos animais Jucilaine Cristina dos Santos (Julia Colle), 25 anos. O enterro contou com a participação de diferentes movimentos sociais de São Roque e delegações de várias cidades.

A jovem ficou conhecida nacional e internacionalmente nos protestos pelo fechamento do Instituto Royal, em São Roque, onde residia.

Julia Colle foi encontrada em seu quarto já sem vida. A autópsia preliminar, realizada em Sorocoba, diz que faleceu por asfixia mecânica, podendo ser enforcamento, esganadura ou sufocamento.

Escreve Patricia Abreu em sua página no Facebook: “Existem muitas especulações levianas sobre a morte da Julia. Os problemas pessoais eram somente dela.
Peço que respeitem a memória.
Cultivem apenas as coisas boas que ela fez enquanto esteve aqui conosco. Todo legado que nos deixou pelo amor aos animais.
Vamos continuar a nossa luta diária por eles que precisam e necessitam de nós”.

Isso é verdadeiro. Vamos corrigir a notícia publicada no R7: “Com base no boletim de ocorrência, ao qual a reportagem do R7 teve acesso, Julia, o namorado e uma amiga passaram a noite de sábado (9) em uma festa em Cotia, da qual retornaram na manhã de domingo. Já em São Roque, teriam feito ‘uso de bebidas alcóolicas e drogas’. Ainda de acordo com a polícia, as testemunhas foram dormir em seguida e Julia teria ficado acordada”.

O namorado de Julia jamais se drogou, e não viajou com Julia para Cotia. Os dois se amavam, mas estavam separados, pelo menos, há uma semana. Mas tudo indicava que iam reatar o namoro.

“Horas mais tarde, por volta das 16h, o namorado da ativista recebeu uma mensagem pelo celular, na qual Julia dizia que faria uma besteira. O rapaz então seguiu para a casa, onde estava a ativista e uma amiga. Ambos foram ao quarto de Julia, onde estava o corpo dela. O boletim de ocorrência aponta que a ativista ‘estava enforcada com uma gravata presa à janela”.

O rapaz, realmente, recebeu o telefonema, e saiu apressado para casa de Julia.  Não esperava encontrar três pessoas: Luana, Akira e Coelho. Correu para o quarto da namorada, mas era tarde. As três visitas não sabiam de nada. Fica a dúvida: os três dormiam e Julia acordada. Ou eles acordados e Julia dormindo eternamente.

No boletim de ocorrência, Akira, Coelho e Luana  testemunharam que não participaram da morte de Julia, nem ouviram nada. E que vieram da festa, em Cotia, com Julia, e beberam e consumiram drogas.

Informa o R7: “Nas redes sociais, amigos de Julia e a própria mãe da jovem suspeitam da tese de suicídio.

A reportagem do R7 procurou o delegado Marcelo Sampaio Pontes, responsável pelas investigações, mas ele preferiu não falar em linhas de investigação neste momento”.

A mãe de Julia permanece em estado de choque. E não suspeita de coisa alguma. Está sob efeito de calmantes.

Julia é filha única, muito querida, e saiu da casa para morar sozinha, ou melhor, residir em um local que pudesse abrigar seus animais. Seu sonho era abrir um canil.

Nas redes sociais falam que os animais foram despejados. “É mentira. A mãe não teve nada a ver com isso. Pessoas de fora da cena tomaram a frente dela e pegou os animais. É uma senhora idosa e não teria condições de cuidar de oito animais. Apesar da idade, jamais colocaria os animais para fora”.

O que as amigas mais íntimas dizem de Julia: “Uma pessoa maravilhosa, com um coração generoso, carinhosa, educada, amiga, agitada, idealista, amante dos animais”. E todas garantem: não era usuária de drogas.

“Se usou, foi influenciada pelas companhias que estavam com ela. Os próprios ocupantes da casa revelaram à policia que consumiram drogas, aparentemente, cocaína e maconha”.

Essa possibilidade talvez levou Julia a telefonar para o namorado. Pediu socorro. Disse que não estava bem, e que cometeria uma besteira. Essa besteira seria se matar. Mas poderia ser uma maneira  – chantagem emocional bem comum em jovens apaixonados – de reatar o namoro.

Julia quando criança sofreu o trauma da perda do pai, uma morte que nunca aceitou. Passou a ter crises de depressão, e tomou medicamentos. Mas tinha parado faz tempo, por orientação médica. Ultimamente sua tristeza era a separação momentânea do namorado.

Conclui uma amiga: ‘É muito fácil falar de suicídio, e tirar a culpa de três pessoas que estavam na casa e disseram que não viram nada. Penso sim, que pode ter se matado, mas por alguma coisa eles terão que ser indiciados, nem que seja por omissão de socorro ou participação. Aliás quem levou drogas para dentro da casa foram eles”.

Anúncios

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s