Pelé ganha museu de 20 milhões em prédio histórico

São Paulo capital reclama:

rei pelé

Vão gastar 20 milhões. É a previsão inicial. Por que Pelé não financia? Por que Xuxa não financia? Por que a Alstom não financia? Por que a Siemens não financia? Por que a Fifa, que vai levar do Brasil, em 2014, pra lá de cinco bilhões, não financia? Por que o povo sempre tem que pagar a conta?

Cada estádio da Copa vai ter um museu de futebol.  São doze Coliseus. Manchete hoje em Salvador:

BRA^BA_COR salvador

Esta vista lembra as margens dos rios e praias do Recife. Cidade sem passeio público. Que Pernambuco está repleto de coisas proibidas para o povo: as ilegais praias particulares e margens dos rios interditadas, verdadeiras ilhas da fantasia da especulação imobiliária e grileiros, exclusivas dos ricos e veraneio de estrangeiros.

No Coliseu de Pernambuco, numa clareira da serra elétrica, na Mata de São Lourenço, também vão construir um museu de futebol. Idem em Salvador.

terreoarena

É uma afronta à História de São Paulo, o local escolhido para ser o museu exclusivo de Pelé.

Uma construção histórica, datada de 1865, disponibilizará um acervo interativo sobre o futebol e a carreira do consagrado ex-jogador.

“Fizemos a doação para o município e ele está sendo totalmente reformado. É um patrimônio histórico de grande valor arquitetônico. E o mais importante é o seu conteúdo, o Museu Pelé, que vai abrir antes da Copa do Mundo. O trabalho já está bastante adiantado e isso vai ser muito importante para o turismo e para a promoção do esporte, do futebol, levando esse grande acervo para o mundo”, explicou o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Localizada na região do Porto, o Casarão do Valombo já foi no passado a sede da Prefeitura de Santos e da primeira Câmara de Vereadores do município. Após a reforma, o prédio de cerca de 4.380 m² exibirá, para até 1,5 milhão de visitantes por ano, cerca de 2 mil itens, entre objetos, fotos e vídeos do ex-jogador. A obra, com previsão de término em junho de 2014, também compreenderá um auditório para 100 pessoas.

Escreve Iris Geiger da Silva:No século XIX, quando o bairro do Valongo era o ponto nobre da cidade de Santos, o comendador Ferreira Neto construiu dois prédios em frente à estação ferroviária da S.P. Railway. No ano da inauguração da estação inglesa (1867), os casarões neoclássicos começaram a ser construídos. O espaço já possuía importância, pois respondia pelo elo de ligação da cidade de São Paulo com o Porto de Santos.

A construção do porto de pedra, iniciada em 1892, na mesma área do Valongo, valorizou o destaque dos edifícios do comendador. Ainda no final do século XIX, a Câmara Municipal transferiu-se da antiga Casa de Câmara e Cadeia na praça dos Andradas para os imponentes Casarões do Valongo. Pouco depois, também a Prefeitura estabeleceu-se no imóvel.

Em 1939, ano em que foi inaugurado o Palácio José Bonifácio ou Paço Municipal, na praça Mauá, os poderes públicos deixaram os Casarões. Iniciou-se, então, a mudança de direção da curva da vida deste patrimônio que havia alcançado o ápice da valorização. A decadência chegou com as mudanças de usos que acabaram por deteriorar as construções: bares, hotéis de baixa qualidade e cortiços.

Santos

A destruição de grande parte dos Casarões do Valongo, também chamados de Casarões do Largo Marques de Monte Alegre, deveu-se aos incêndios seguidos de desabamentos. Recentemente, no último dia 15 de agosto, mais um pedaço deste corpo agonizante caiu. As raízes da vegetação, que tenta apropriar-se do espaço, infiltraram-se entre a alvenaria e o reboco de parte da fachada do prédio, provocando a queda do material (leia mais).

Enquanto isso, aqueles que como Sócrates e eu ficam felizes com o ato de construir, projetam a revitalização do espaço. No dia 1º de setembro, abrindo a Semana da Pátria, o governador de São Paulo, Cláudio Lembo, assinou um decreto, autorizando a Prefeitura a utilizar a área das ruínas dos Casarões do Valongo para implantar o Memorial José Bonifácio.

O projeto prevê que em dois anos aproximadamente 4 000 m² de área construída, distribuídos em três blocos, abriguem o acervo do Patriarca, um centro de documentação e pesquisas, auditório, biblioteca e cafeteria. Internamente com arquitetura contemporânea e nas fachadas tendo o cuidado de restaurar o patrimônio cultural neoclássico.

E por falar no país do futebol, concordo com esta decisão do Uruguai, que sediou, em 1930, a primeira Copa do Mundo:

 

futebol educação ensino

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s