Com informações de difícil acesso, TJ-PR lança edital para reforma

No valor máximo de R$ 79,6 milhões, o edital para reforma do Palácio da Justiça não especifica, porém, quais serviços serão contratados da empresa vencedora e nem o que deve ser reformado no prédio do tribunal

por Amanda Audi

 

tj-pr

tj

"Você só pensa em luxo e riqueza"
“Você só pensa em luxo e riqueza”

 

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) lançou edital (11/2013) para reforma e retrofit (modernização) do Palácio da Justiça. No valor máximo de R$ 79,6 milhões, o documento não especifica, porém, quais serviços serão contratados da empresa vencedora e nem o que deve ser reformado no prédio do tribunal. Para ter acesso a esses dados, é preciso realizar uma série de procedimentos burocráticos.

O usuário que quiser obter o edital de licitação precisa preencher um cadastro com dados como nome, endereço completo, telefone, CPF e e-mail. Depois do preenchimento, o sistema envia uma senha automática por e-mail. Mas uma mensagem no pé da página do TJ avisa que “o cadastro fica sujeito a posteriores confirmações de dados pela Divisão de Licitações, podendo ser desabilitado ou excluído sem qualquer aviso prévio”.

Em seguida, para acessar o cronograma e planilha quantitativa de serviços (que diz o que será efetivamente contratado com a licitação e a que preço), é necessário solicitar um CD ao Departamento de Engenharia e Arquitetura do TJ-PR. Isso depois de pagar uma guia de R$ 10 ao Fundo de Reequipamento do Poder Judiciário (Funrejus).

O procedimento não é ilegal, mas pela maneira como é feito desrespeita três artigos da Lei de Licitações (por limitar a concorrência) e a Lei de Transparência, na avaliação do auditor especialista em licitações de Brasília, Inaldo Soares. “O edital deveria conter todas as informações relacionadas à licitação. Como você vai concorrer se não está claro o objeto?”, questiona. Para ele, não disponibilizar com facilidade todas as informações é uma forma de dificultar o acesso aos documentos da licitação, o que pode gerar suspeitas sobre o processo licitatório.

O presidente da comissão de gestão pública da seccional paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR), Luciano Reis critica o preenchimento de cadastro extenso. “Isso não é saudável. É uma questão de saber quem está acessando, pode criar filtros”, avalia. Ele diz que um cadastro simples, com nome e e-mail, já seria suficiente para que o usuário fosse informado de eventuais mudanças no edital. “Todos têm que ter acesso a dados de órgãos públicos.”

Reforma

O que será alterado na estrutura do Palácio da Justiça só pode ser conhecido por meio de uma notícia divulgada no portal do TJ nesta quinta-feira (5). O texto diz que “a reforma e restauração serão efetivadas numa área de 19 mil 900 metros quadros, compreendida pelo andar térreo, mezanino e mais dez andares”.

Ainda segundo a notícia, a licitação compreende também a ampliação de 7,8 mil metros quadrados, que vai englobar um restaurante funcional na cobertura, ampliação da área de estacionamento e passarelas que vão integrar os prédios do Palácio e do Anexo. O prédio reformado vai abrigar o gabinete do presidente do TJ, desembargador Clayton Camargo, e outros 82 gabinetes de desembargadores e assessores.

O outro lado

Segundo a Divisão de Licitações do TJ, o cronograma, as planilhas de serviços e o projeto não estão no edital disponibilizado no site porque são “muito pesados”. Juntos, os dados contêm mais de 200MB e por isso são emitidos em CD.

De acordo com o órgão, o cronograma e a planilha poderiam ser anexados em um formato menor, caso fossem separados do projeto das obras – que é o mais pesado, segundo informação do órgão. A orientação para os interessados em ter acesso a esses dois itens é fazer uma solicitação pessoalmente ou por e-mail ao setor de Licitações. O pedido, por escrito, é enviado para análise no Departamento de Engenharia do TJ.

Nota do redator do blogue: Ninguém faz nada que preste para o povo.  A mania de palácios cada vez mais luxuosos não combina com a miséria do pobre povo pobre. Que para falar com a justiça precisa de intermediário. Bem que me lembra a música de Ataulfo Aves e Mário Lago:
Você não sabe o que é consciência
Você só pensa em luxo e riqueza
Tudo o que você vê, você quer
Ai, meu Deus…

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s