O excêntrico e extravagante Eike Batista

por Helio Fernandes

Na própria revista Forbes ficavam impressionados com a volúpia com que afirmava publicamente: “Serei o homem mais rico do Brasil e, em 2 ou 3 anos o mair rico do mundo”. Carlos Slim, o mexicano mais rico do mundo (que hoje tem negócios rendosos no Brasil de televisão por assinatura), ria.

Há 5 anos, EIke comprou o tradicional Hotel Glória. Queria trocar o nome para “Bilionaire”. Esse é o nome de um hotel na belíssima praia da Sardenha, só funciona 3 meses por ano, no verão. São todos convidados, bilionários do mundo inteiro.

Na véspera de começar o verão, ninguém paga nada, o champanhe corre solto. No dia seguinte, começam a cobrar, nem se sabe quanto, ninguém olha a conta, não é elegante. No último dia do verão, a mesma coisa: despedida geral, de graça, fecha, só abre no ano seguinte.

Um dos executivos de Eike, que conhecia a história do hotel da Sardenha, aconselhou-o a não seguir a fórmula. “Aqui não dará certo de jeito algum”. Eike aceitou o conselho, uma semana depois demitiu o executivo, que está na Justiça, são vários nessa situação. Noutro dia, Eike mandou telefonar para um executivo, surpresa geral, ele havia sido demitido pelo próprio Eike, pessoalmente.

Tudo de Eike é assim, nenhum empreendimento dele termina. A reforma do Hotel Glória não deve ficar pronta nem para a Copa. Se não fosse Dona Graça Foster, que no auge da crise do grupo OGX, disse publicamente, “estamos conversando com Eike”, já teria naufragado. Quem garante que não naufragou?

 (Transcrevi trechos)

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s