O funeral de Thatcher reviverá o Happy Guy Fawkes Day

GF-day

 

O chanceler Héctor Timerman quebrou o silêncio da Argentina sobre a morte da ex-premiê britânica Margaret Thatcher. Nesta quinta-feira, em entrevista a uma rádio argentina, o ministro reagiu às notícias de que a família da ex-primeira-ministra teria vetado a presença de representantes do governo argentino no funeral marcado para a próxima quarta. Timerman considerou a decisão “mais uma provocação” dos britânicos. E desdenhou: “Por que eu me importaria em ser convidado a um lugar ao qual não planejo ir?”

O governo de Cristina Kirchner assumiu um discurso de reivindicação da soberania do arquipélago, invadido pela Grã-Bretanha desde 1833, que provoca ranger de dentes entre os dois países. Neste cenário, o jornal inglês The Telegraph publicou que familiares da ex-premiê consideraram “inadequada” a presença de Cristina ou de outros membros do governo argentino no funeral. A cerimônia terá como tema exatamente a Guerra das Malvinas, segundo informação do governo britânico.

[Transcrito da revista Veja, que diviniza a “dama de ferro”, para a imprensa imperialista; e “ladra de leite”, para a maioria dos ingleses. É verdade, o governo argentino guardava um respeitoso silêncio, não devido.

Fazer propaganda da Guerra das Malvinas constitui um abuso que ofende toda a América do Sul, pela presença bélica do Reino Unido no Continente.

A política nefasta neoliberal de Thatcher tirou do povo importantes direitos. Uma política direitista que teve seguidores nas ditaduras do Cone Sul, e que ameaça hoje a Europa do euro.

 

A polícia inglesa teme protestos em Londres. O inglês não é o brasileiro que esquece a perversidade dos seus governantes. O povo vai para as ruas, durante o funeral, para se vingar da “bruxa” e denunciar o mito forjado pela propaganda da globalização].

 

“Lembrai, lembrai, o cinco de novembro A pólvora, a traição e o ardil; por isso não vejo porque esquecer; uma traição de pólvora tão vil”
“Lembrai, lembrai, o cinco de novembro
A pólvora, a traição e o ardil;
por isso não vejo porque esquecer;
uma traição de pólvora tão vil”

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s