POEMA DA CRUCIFICAÇÃO



por Talis Andrade

 

A Crucificação, por Giotto di Bondone.
A Crucificação, por Giotto di Bondone.

 

Agora entendo, Senhor,
a imensa e eterna solidão
de quem está preso
à árvore da desolação.
Agora entendo
o terror dos pregos
fixando os teus pés
de andarilho,
o terror dos pregos
lancinando a carne.
Agora entendo o ultraje
de cobrirem tua nudez
com um manto escarlate,
ornamento e cor
privativos dos césares
nas reuniões solenes.
Agora entendo
a humilhação, a dor
dos espinhos ferindo
tua fronte
que não faz sete dias
quiseram coroar.
Agora entendo
tua imensa angústia:
os olhos contemplando os sonhos
que tuas mãos dilaceradas
procuraram semear.
Só agora entendo
teu imenso abandono:
os olhos buscando os lugares
onde a Palavra foi um dia ouvida,
onde tua Palavra amiga
foi consolo dos que choram,
dos que têm sede de justiça.
Ó Senhor, teus olhos de infinita doçura
percorrem os caminhos
que teus pés marcaram com sangue.
Os olhos buscam a cidade na lonjura.
A cidade, que não faz uma semana
te recebeu em festas,
hoje te considera indigno
de que morras no seu chão.
E fora dos muros
da cidade
todos te abandonaram,
indiferentes ao teu coração
latejante de paixão.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s