Haddad evita despejo judicial da polícia armada de Alckmin: “É uma coisa que tem impacto social. Imagina duas mil pessoas perambulando pela cidade: desamparadas, desassistidas, com problemas na área da educação, na área da saúde, na área da assistência e na área da moradia”, disse o prefeito

Uma bela resistência contra a política tucana dos despejos judiciais
Uma bela resistência contra a política tucana dos despejos judiciais
Durante visita a um centro da CET, Haddad afirmou que era preciso evitar a repetição da falta de ajuda a vítimas de reintegração de posse (Foto: Alexandre Moreira/Brazil Photo Press/Folhapress)
Durante visita a um centro da CET, Haddad afirmou que era preciso evitar a repetição da falta de ajuda a vítimas de reintegração de posse (Foto: Alexandre Moreira/Brazil Photo Press/Folhapress)

Prefeito de São Paulo critica Tribunal de Justiça por rejeitar primeiro pedido apresentado pela administração municipal para barrar ação policial contra 800 famílias

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, afirmou hoje (27) que se viu forçado a agir de maneira emergencial para evitar que se agravasse ainda mais a repressão da Polícia Militar contra moradores de um terreno localizado no Jardim Iguatemi, na zona leste da cidade. “Você primeiro faz uma parceria com a comunidade, faz o cadastramento das famílias sem atropelos e depois faz o decreto. Então nós invertemos a ordem para que o juiz se sensibilizasse e pudesse rever sua decisão, que ia criar um drama social na cidade”, disse.

O Diário Oficial do Município trouxe hoje o decreto que torna de interesse público o terreno, alvo de ação de desapropriação na véspera contra 700 famílias. Ontem, após ação da prefeitura, o Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a interrupção da intervenção policial. Horas antes, Haddad havia cobrado publicamente o fim do operativo. Segundo nota divulgada pela administração municipal, a secretária estadual de Justiça, Eloísa Arruda, telefonou ao desembargador responsável pelo caso após o pedido do prefeito.

“É um estudo que deveria ter sido feito antes do decreto, juntamente com o prazo de cadastramento das famílias. Mas como era uma situação de emergência em que havia risco social envolvido, nós tomamos a providência de destacar uma equipe para redigir o decreto. Agora que está superada esta situação, vamos fazer os procedimentos habituais da prefeitura.”

Ao mesmo tempo, Haddad criticou o Judiciário paulista por rejeitar o primeiro pedido da prefeitura para suspender a desapropriação. “Nós queríamos evitar o que já aconteceu tantas vezes no nosso país: um drama social não ter atendimento”, disse.

Agora, a Companhia Metropolitana de Habitação (Cohab) fará o processo de desapropriação do terreno em 133 mil metros quadrados em nome de Heraclides Bataglia  Camargo Filho. As famílias devem ser cadastradas em programas habitacionais em 120 dias, e no local deve ser erguido um conjunto para moradia.

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s