Eike ganha Marina da Glória (Aterro do Flamengo), cartão postal do Rio, de presentão

Escreve Ricardo Noblat

 

Sem qualquer divulgação ou audiência pública prévia, está mais perto de se tornar realidade o sonho de Eike Batista de construir lojas e um centro de convenções na Marina da Glória, que integra o Parque do Flamengo, tombado desde 1965 e cenário que ajudou o Rio a conquistar o título de Patrimônio Mundial como paisagem cultural urbana da Unesco.

A Comissão de Análise de Recursos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) informou, por meio de sua assessoria, que aprovou o anteprojeto de modernização da marina, que inclui a construção de um prédio de 15 metros de altura e mudanças numa área de 20 mil metros quadrados.

aterro do rei

Escrevem Cristina Grillo e Mariana Sallowicz:

Desde 2009, quando obteve a concessão para explorar a Marina da Glória, no Aterro do Flamengo, o grupo EBX, de Eike Batista tenta emplacar um projeto de reforma que atenda seus interesses, tenha aprovação do patrimônio histórico e escape de críticas de urbanistas e ambientalistas. A Folha apurou que sua mais recente tentativa, um anteprojeto que obteve aprovação do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), terá um centro de convenções com capacidade para 900 pessoas, 50 lojas, 450 vagas náuticas, 600 para carros, e um local para exposições ao ar livre com 18 mil m². A aprovação é necessária porque o Aterro do Flamengo é tombado. Com a reforma da marina, a região se tornaria uma espécie de “bairro X” -a letra que Eike sempre usa em seus empreendimentos. Em frente ao local fica o hotel Glória, que está sendo reformado pela REX, braço imobiliário do grupo EBX. Mais adiante surgirá outro hotel do grupo, em um prédio pertencente ao Flamengo. A arquiteta Andrea Redondo, ex-presidente do Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio Cultural do Rio, é contrária ao projeto. “O parque onde está localizada a marina é um espaço público.”

ÁREA PARA PIQUENIQUE

O novo projeto não prevê vagas secas, aquelas reservadas em áreas terrestres para embarcações de menor porte. Atualmente há cem vagas desse tipo. A intenção é fazer com que a marina receba barcos de médio e grande portes. Para isso, será preciso dragar a área. Numa espécie de contrapartida, o espaço atualmente ocupado pelos barcos pequenos vai virar uma área de piqueniques. O novo projeto mantém o estacionamento em dois níveis, um na altura do mar e outro mais alto, no acesso do calçadão da marina, mas diminui à metade as vagas. O grupo EBX pensa em instalar a sede brasileira do Cirque du Soleil em uma área da marina onde já acontecem suas temporadas cariocas. O grupo nega. Uma das empresas de Eike, a IMX Arts, é uma sociedade entre a IMX (braço do grupo para a área de entretenimento) e o Cirque de Soleil.

Eike e Dilma
Eike e Dilma. Clique na foto para aumentar. Vale um olhar melhor 

[Veja mais fotos de Eike. Pelas roupas que usa podemos identificar sua multiplicidade de vantajosos negócios e sua vida de rei do Rio e 1001 concessões. Ou doações, para usar uma classificação do jornalista Helio Fernandes]

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s