O presídio de uma só porta da Kiss pretendem transformar em monumento aos mortos. Os vivos ficarão soltos: os empresários da noite e autoridades de Santa Maria. Por que fecharam a boate do DCE?

BRA_CB impunidade

Santa Maria – Na tarde desta terça-feira, manifestantes se concentraram em frente à Câmara Municipal de Vereadores, de onde iniciaram a marcha chamada de Protesto por Justiça. A manifestação, articulada através de redes sociais, foi em direção à Delegacia Regional, e depois até à Prefeitura. Os participantes do protesto entregaram um documento à chefe de gabinete do prefeito, Magali Marques da Rocha, pedindo clareza na apuração dos fatos e na investigação do incêndio na Boate Kiss, e que todos órgãos públicos culpados sejam devidamente responsabilizados. Fotos de Deivid Dutra, jornal A Razão.

DEIVID-DUTRA- justiça 1 passeata

DEIVID-DUTRA- p1

DEIVID-DUTRA- culpa de quem

DEIVID-DUTRA- jaba

DEIVID-DUTRA- culpa

Incêndio em boate Argentina, em 2004, não serviu de lição para o Brasil, nem para o vizinho Rio Grande do Sul.
O incêndio que deixou 194 mortos em 2004 na boate República Cromañón, em Buenos Aires, similar ao que ocorreu neste domingo (27) em Santa Maria, provocou uma série de mudanças na segurança nas casas noturnas da capital argentina.
As medidas incluíram mais sinalização interna das discotecas indicando a saída de emergência; menos tolerância no tocante ao limite de público autorizado para cada local e a colocação de cartazes indicando a quantidade permitida de pessoas no recinto.

Investigações policiais e judiciais revelaram que a discoteca República Cromañón tinha o certificado de bombeiros vencido, cerca do triplo de público permitido e problemas com a saída de emergência.

A perícia apontou que o uso de pirotecnia provocou o incêndio, que gerou uma fumaça mortal.

A tragédia provocou prisões de empresários, dos músicos e renúncias de políticos na cidade.

No Brasil existem leis. Um mês antes do incêndio da Kiss, a prefeitura ou os bombeiros fecharam a boate do DCE, com entrada grátis. Fecharam a boate dos estudantes universitários, e esqueceram a Kiss. Esquecimento fatal. Por que o uso da lei para a boate dos estudantes que passaram a realizar suas festas na Kiss, pagando as estudantes ingressos de dez reais, e quinze reais os estudantes? Nem preciso explicar a razão das meninas pagarem menos…

Pretendem transformar o local da tragédia em memorial. Que seja. Mas um memorial de denúncia da corrupção. De combate à impunidade que facilita as tragédias de incêndios em boates e favelas.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s