Mensalão. Puniram apenas o intermediário. Corruptos e corruptores estão livres ou receberam punição faz de conta

Marcos Valério ganhou duas agências de presente. Portanto, era apenas um laranja de duas quadrilhas jamais investigadas, e que atuavam no País da Geral. Ganhou as agências de um vice-governador de Minas Gerais e de um sobrinho do vice-presidente da República.

No governo do presidente Itamar Franco, Marco Valério passou a ser um publicitário com conta nacional. A dos Correios sem os Telégrafos. Antes era uma simplória figura provinciana.

A partir da campanha presidencial de Fernando Collor, as agências de publicidade foram transformadas em um dos caixas das campanhas eleitorais, para suborno de jornalistas, e compra de pesquisas de opinião pública e da mensagem dos meios de comunicação de massa, além dos serviços necessários e legítimos de propaganda política.

Nos casos do Mensalinho mineiro e do Mensalão do PT, a descoberta de que as agências de publicidade, mancomunadas com empresas e indústrias e bancos, estatais e privados, passaram a comprar partidos e líderes políticos. Um papel de intermediação entre corruptos e corruptores.

Pelo trabalho criminoso de repassar dinheiro, Marcos Valério tornou-se o único marqueteiro (ou marreteiro) punido no Brasil. E recebeu uma pena desproporcional.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s