Activistas llegados de todo el mundo se reúnen en Madrid en el Ágora 99%

“Me llamo Jeremy, vengo de Bélgica y pertenezco al Comité para la Condonación de la Deuda en el Tercer Mundo y hemos preparado un taller sobre deuda y soberanía para estas jornadas”; “yo, de Occupy London…”; “yo vengo de parte del movimiento ciudadano de Brasil”. Como estos, uno tras otro, más de un centenar de activistas venidos de todo el mundo se han presentado y anunciado sus proyectos durante la mañana de este viernes en el centro social EKO, en el madrileño barrio de Carabanchel.

Ha sido la apertura del encuentro internacional Ágora 99%, organizado por distintos colectivos de la órbita del 15-M de la capital, en el que desde hoy hasta el próximo domingo debatirán sobre los tres ejes que creen fundamentales para entender la crisis económica y política en Europa: derechos, deuda y democracia. Fotogaleria

Quando o actual governo

rouba o 13º e o 14º mês aos reformados e à função pública;
rouba mais de um salário aos trabalhadores do privado;
destrói o SNS;
destrói a escola pública e a universidade pública;
promove o desemprego;
promove a redução da remuneração do trabalho ou
promove a fome e a miséria,
viola a Constituição da República Portuguesa e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, torna-se num criminoso em actividade.
Recorde-se que, tanto a Constituição da República Portuguesa como a Declaração Universal dos Direitos Humanos tornam a justiça explícita na forma de lei. É dessa forma que se mantém a paz entre os cidadãos já que aquilo que está acordado permite uma vida justa e digna para todos.

Este governo, ao submeter os mais débeis aos mais fortes, eliminou a justiça e deixou unicamente a lei. Como consequência, fez com que grande parte da população deixasse de ter lugar.

Por outras palavras, isto significa que o governo violou e viola a Constituição da República Portuguesa e a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ou seja, o governo quebrou a paz social. Isto legitima a acção de todos os cidadãos que agora têm o dever de preservar a paz e o bem-estar proclamados nestes documentos.

Por estas razões, e ao abrigo do Artigo 21º da Constituição da República Portuguesa, o MSE, Movimento Sem Emprego, e aqueles que estão a ser vítimas das acções criminosas deste governo reservam para si e para todos os cidadãos o direito à desobediência civil como forma de resistência dos que estão a ser atirados para a valeta por este governo.

Chega de esfolar os 99% mais pobres para que o 1% mais rico mantenha os seus privilégios.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s