Dá para acreditar nos jornalistas?

por Carlos Castilho

 

Durante muito tempo os jornalistas encararam o questionamento ético do seu trabalho como o equivalente a uma ofensa pessoal e, em alguns casos, até como uma agressão à categoria profissional. Isto contribuiu para o aumento do número dos desafetos da profissão e, pior do que isso, para consagrar uma falsa dicotomia entre bons e maus.

A avalancha informativa gerada pela internet está ajudando a relativizar a questão da verdade no jornalismo ao — paradoxalmente — consagrar a dúvida. Quase todos os participantes do evento promovido pelo Instituto Poynter concordaram que o jornalista da era digital é um profissional obrigado cada vez mais a conviver com incertezas.

Os norte-americanos se acostumaram durante 19 anos a só irem para a cama depois de ouvirem Walter Cronkite (que se aposentou em 1981) fechar o telejornal da noite da rede CBS com a icônica frase “And that’s the way it is” (em tradução livre, é assim que as coisas são). Dormiam tranquilos convencidos de que sabiam da verdade dos fatos. Hoje, a TV americana virou uma incrível cacofonia noticiosa que gera mais confusão do que convicção.

O que os jornalistas começam a se dar conta é que o custo de serem considerados os donos da verdade tornou-se alto demais e que a realidade atual é muito mais complexa do que o estipulado nas regras formais e informais da profissão. A começar pelo fato de que os conceitos de verdade e erro são hoje objeto de enormes discussões envolvendo desde filósofos e juristas até pessoas comuns.

Até a era da internet, quem determinava o justo ou injusto, o certo ou errado, o verdadeiro ou falso eram as personalidades acima de qualquer suspeita, a igreja e os tribunais. Agora, quem começa a assumir esse papel de juiz da credibilidade e confiabilidade são sistemas eletrônicos, chamados sistemas de reputação, baseados em princípios matemáticos de probabilidade e em estatísticas.

Os sistemas de reputação consagram a relatividade na definição do que é verdadeiro ou falso. Ao levarem em conta uma quantidade enorme de dados e percepções sobre um mesmo fato, os sistemas logram uma contextualização muito mais ampla do que a alcançável por um ser humano, mas nunca chegam a um veredito do tipo certo ou errado. É sempre uma afirmação relativa: tende a ser certo ou tende a ser errado.

Esses sistemas já são largamente usados na internet e podem ser vistos em ação em sites como os de comércio eletrônico, que oferecem uma avaliação de compradores e vendedores. A categorização é expressa em porcentagens e não em sentenças dicotômicas do tipo bom ou mau.

A convivência dos jornalistas com os sistemas de reputação vai mexer com valores muito entranhados na profissão. Não consigo imaginar qual o rumo que tomará a questão, mas pelo menos começamos a entender que não somos oráculos da verdade. Isto cria outra situação inédita, pois o público terá que assumir a busca de sua verdade, tarefa que ainda joga nas costas do jornalista. Os profissionais da imprensa poderão, no máximo, aconselhar.

(Transcrevi trechos)

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s