FHC queria ser ele

Sebastião Nery

Os sábios ensinam que o pior ódio é o da inveja. A ira que em 2002 enfureceu Fernando Henrique contra o relator especial da ONU, Jean Ziegler, que veio ao Brasil ver como estava aqui o “Direito à Alimentação”, não foi apenas porque ele desmoralizou toda a propaganda dos 8 anos da “Era FHC”.

Isso doeu, mas doeu menos do que a butantânica inveja pessoal de Fernando Henrique. É que o suíço Jean Ziegler é tudo que Fernando Henrique gostaria de ser.

(…) o Jean Ziegler é um intelectual de prestígio e sucesso, respeitado na Europa e nas Américas. Foi ele quem promoveu o inquérito sobre o dinheiro sujo, do crime organizado e da corrupção internacional, que há séculos se acoita nos porões dos bancos suíços. E sobre isso escreveu um livro que fez furor mundial.

Depois, foi ele quem começou a campanha, logo apoiada pelos judeus do mundo inteiro, para os bancos suíços devolverem o dinheiro confiscado dos judeus pelos nazistas e lá depositados.

E, finalmente, o imenso sucesso internacional do livro “La Faim Dans le Monde Expliquée à Mon Fils” (A Fome no Mundo Explicada a Meu Filho), que o levou para a Secretaria Geral de Alimentação da ONU, um dos mais importantes postos internacionais.
AS DIFERENÇAS

 

 

Enquanto isso, Fernando Henrique teve apenas um livro traduzido em inglês e francês (fora as picaretagens que o Itamaraty fez, traduzindo textos de assessores atribuídos a ele para distribuir nas viagens internacionais, com dinheiro público, como aconteceu em viagens à Rússia e à Eslováquia). A “Teoria da Dependência”, por exemplo, na verdade foi escrito pelo chileno Falleto e coeditado por FHC, como sabe toda a comunidade acadêmica.

E pior. FHC entregou meio Brasil aos banqueiros internacionais e vive ajoelhado diante dos Estados Unidos, para ver se consegue um bico qualquer lá fora. Morre de inveja. Queria ser o suíço.

E o que foi, afinal, que o suíço disse quando veio ao Brasil no final da era FHC? O que o País todo sabia. Que “há uma guerra social no Brasil”. Que “um terço da população brasileira (quase 60 milhões) era afetado pela subalimentação”. E que “no Brasil a fome é um genocídio, não uma fatalidade, e quem morre de fome no Brasil é assassinado”. Leia mais. Transcrevi trechos.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s