A eterna ameaça dos militares golpistas

Segundo o coronel Jarbas Passarinho,

  • “O movimento militar de 64 foi uma contrarrevolução, que só se efetivou, porém, quando a sedução esquerdista cometeu seu erro vital com a rebelião dos marinheiros, com a conivência do governo, o golpe de mão frustrado de sargentos em Brasília e a desastrosa fala de Jango para os sargentos no Automóvel Clube do Rio de Janeiro. A disciplina e a hierarquia estavam gravemente abaladas. As Forças Armadas só então se decidiram pela ofensiva, reclamada pela opinião pública. O apoio da sociedade brasileira, da imprensa, praticamente unânime, da maioria esmagadora dos parlamentares no Congresso, da Igreja,, maciçamente mobilizada nas manifestações das enormes passeatas, as mulheres rezando o terço e reclamando liberdade, tudo desaguou na deposição de João Goulart, sem o disparo de um tiro sequer, o povo aclamando os militares”.
Jango discusa para os sargentos
Jango discusa para os sargentos

Vem agora um bando de anistiados e/ou saudosistas quebrar a disciplina e a hierarquia. Esquecidos que os governos dos ditadores militares perderam o apoio do povo. Isso já em 68, quatro anos depois da tomada do poder.

A passeata dos cem mil no Rio de Janeiro testemunha esse momento histórico libertário.

Que beleza! Eva Todor, Tonia Carreiro, Eva Wilma, Leila Diniz, Odete Lara e Norma Bengel abrem alas na passeata dos cem mil
Que beleza! Eva Todor, Tonia Carreiro, Eva Wilma, Leila Diniz, Odete Lara e Norma Bengel abrem alas na passeata dos cem mil

Rebeliões dos marinheiros tivemos várias, inclusive contra a Lei da Chibata. Que terminou numa selvagem matança dos revoltosos.

A dos marinheiros de 64 foi uma criação dos infiltrados da CIA, liderados pelo famigerado cabo Anselmo, que era sargento.

Escreve Gilmar Crestani:

As Forças Armadas e as Polícias Militares sempre se safaram com o argumento que, nelas, reina o cumprimento da ordem e não há  quebra da hierarquia. Balela. Todo dia há quebra de hierarquia e os patentes (meu nono diria que não há nome mais apropriado…) superiores não conseguem se fazer ouvir pelas subalternos. E olha que a diferença salarial é única hierarquia que não é quebrada. Religiosamente, os superiores batem continência para uma salário também superior. Agora me digam, se não conseguem manter a ordem unida, como podem querer controlar a turba desunida? Só se for a bala. Bem, é aí que vem o nome da força, a arma. De fato, uma Força armada é bem mais perigosa que uma força desarmada. Portanto, quem deve ser punido são os superiores que são incapazes que impor a obediência hierárquica. A única razão de ser de sua existência e dos salários superiores.
Transcreve Crestani no blog Ficha Corrida:

Forças Armadas vão punir militares que assinaram manifesto

Enviado por luisnassif.

Autor: Adriano S. Ribeiro

BRASÍLIA – O ministro da Defesa, Celso Amorim, decidiu nesta quarta-feira, em conversa com os três comandantes militares, que os cem oficiais da reserva que assinaram o manifesto “Alerta à Nação – eles que venham, aqui não passarão” serão repreendidos por suas respectivas forças. A punição pela indisciplina depende do regulamento de cada um, do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, e varia de uma simples advertência até a exclusão da força. Mesmo militares da reserva podem ser excluídos.

Nesse texto, os militares da reserva criticaram a interferência do governo no site do Clube Militar e o veto a um texto ali publicado que critica a presidente Dilma Rousseff e duas ministras. Nesse “Alerta à Nação”, os oficiais afirmam não reconhecer “qualquer tipo de autoridade ou legitimidade” de Celso Amorim.

“Em uníssono, reafirmamos a validade do conteúdo do Manifesto publicado no site do Clube Militar, a partir do dia 16 de fevereiro, e dele retirado, segundo o publicado em jornais de circulação nacional, por ordem do Ministro da Defesa, a quem não reconhecemos qualquer tipo de autoridade ou legitimidade”, diz o documento.

Como no manifesto vetado no site do Clube Militar, o documento de terça-feira também critica a criação da Comissão da Verdade.

“A aprovação da Comissão da Verdade foi um ato inconsequente, de revanchismo explícito e de afronta à Lei da Anistia com o beneplácito, inaceitável, do atual governo”.

O texto publicado no site do Clube Militar atribuía à ministra da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Maria do Rosário, e à ministra da Secretaria Especial de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, declarações que estariam a serviço do que classificaram de “minoria sectária”, disposta a reabrir feridas do passado. O primeiro manifesto polêmico foi assinado pelos presidentes do Clube Militar, Renato Cesar Tibau Costa; do Clube Naval, Ricardo Cabral; e do Clube da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista, todos já na reserva.

No texto, dizem que Rosário vem apregoando a possibilidade de apresentação de ações judiciais para criminalizar agentes da repressão, enquanto Eleonora teria usado a cerimônia de posse — em 10 de fevereiro — para tecer “críticas exacerbadas aos governos militares”, sendo aplaudida por todos, até pela presidente. Eleonora foi presa durante a ditadura militar e, na cadeia, conheceu Dilma.

O texto diz ainda que o Clube Militar não se intimida e continuará atento e vigilante e diz que as Forças Armadas são a instituição com maior credibilidade na opinião pública.

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s