Por que o reitor da USP chama a polícia para prender e espancar estudantes?

Uma universidade tem que ser livre. Autônoma apenas nos negócios com o dinheiro do povo. Uma reitoria com gastos jamais investigados. Sem interferência da polícia, da justiça, do governo.

Mas que os estudantes sejam vigiados, policiados, e proibidos de expressar suas idéias. Que o reitor pensa por eles.

Reitor que manda espancar e prender estudantes. E que expulsa.

Lá na Espanha, os reitores estäo com os estudantes. Condenam qualquer invasão policial. Qualquer interferência da justiça. A palavra universidade vem de universal. Isso quer dizer cultura universal. Conhecimento universal.

Indignados Colômbia. Os estudantes contra a militarização das universidades
Indignados Colômbia. Os estudantes contra a militarização das universidades

180 mestrandos e doutorandos da USP contra invasão policial

Nós, pesquisadores da Universidade de São Paulo auto-organizados, viemos, por meio desta nota, divulgar o nosso posicionamento frente à recente crise da USP. No dia 8 de novembro de 2011, vários grupamentos da polícia militar realizaram uma incursão violenta na Universidade de São Paulo, atendendo ao pedido de reintegração de posse requisitado pela reitoria e deferido pela Justiça. Durante essa ação, a moradia estudantil (Crusp) foi sitiada com o uso de gás lacrimogêneo e um enorme aparato policial. Paralelamente, as tropas da polícia levaram a cabo a desocupação do prédio da reitoria, impedindo que a imprensa acompanhasse os momentos decisivos da operação. Por fim, 73 estudantes foram presos, colocados nos ônibus da polícia, e encaminhados para o 91º DP, onde permaneceram retidos nos veículos, em condições precárias, por várias horas. Ao contrário do que tem sido propagandeado pela grande mídia, a crise da USP, que culminou com essa brutal ocupação militar, não tem relação direta com a defesa ou proibição do uso de drogas no campus. Na verdade, o que está em jogo é a incapacidade das autoritárias estruturas de poder da universidade de admitir conflitos e permitir a efetiva participação da comunidade acadêmica nas decisões fundamentais da instituição. Essas estruturas revelam a permanência na USP de dispositivos de poder forjados pela ditadura militar, entre os quais: a inexistência de eleições representativas para Reitor, a ingerência do Governo estadual nesse processo de escolha e a não-revogação do anacrônico regimento disciplinar de 1972.

El rector demana a la delegada del Govern que retire els càrrecs contra els estudiants, i li trasllada el malestar universitari per la desmesura policial

El rector de la Universitat de València, Esteban Morcillo, ha demanat a la delegada del Govern, Paula Sánchez de León, que retire els càrrecs contra els estudiants detinguts els darrers dies. La petició s’ha efectuat en el transcurs d’una reunió, celebrada a instàncies de Sánchez de León, aquest dimecres, a la seu de la Delegació. El rector ha traslladat a la delegada el malestar de nombrosos col·lectius universitaris (sindicats, centres, departaments…) amb l’actuació policial dels darrers dies.

També es trobava present el rector de la Universitat Politènica, Juan Juliá. El rector Esteban Morcillo ha remarcat la importància dels valors de l’educació pública i de la universitat pública, especialment en un context de crisi econòmica, i ha recordat el compromís de la comunitat universitària en el manteniment d’un sistema d’ensenyament superior públic de qualitat.

Esteban Morcillo ha explicat que un rector representa la comunitat universitària. Finalment, ha demanat l’establiment de ponts de diàleg, i ha reiterat que les universitats són espais de debat i d’intercanvi d’idees. “La Universitat és un espai plural i obert al diàleg”, ha afegit. I ha conclòs: “Sense estudiants no hi ha universitat”.

Prèviament a la reunió amb la Delegada del Govern, el rector s’ha reunit amb els sindicats CCOO, STEPV, UGT i CSIF, amb els quals han signat un conveni. En el transcurs d’aquest acte, el rector ha recollit la preocupació dels representants sindicals sobre l’acció policial durant les mobilitzacions d’aquesta setmana.
Veja vídeo 

Greve estudantil no Chile contra a privatização do ensino
Greve estudantil no Chile contra a privatização do ensino

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s