“Quatro juízes e dois promotores foram assassinados recentemente”

Em um país que vende sentenças nenhum milionário quer ser preso.

Assim a corrupção ameaça a grande maioria dos magistrados honestos.

Reportagem de Jorge Lourenço:

“O conflito entre a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em torno da quebra de sigilo de juízes pode ter raízes em facções criminosas interessadas em arranhar a imagem do Judiciário. Essa é a opinião do presidente da AMB, Nelson Calandra. De acordo com o desembargador, os recentes ataques à credibilidade da magistratura brasileira não são meras coincidências.

‘Eu não tenho dúvida disso. Vivemos num país onde quatro juízes e dois promotores foram assassinados recentemente e, em menos de um mês e meio, presenciamos quatro ataques contra fóruns. Pelos meus 30 anos de experiência, posso dizer que esses ataques conjuntos não são coincidência ‘, ressalta Calandra. ‘Há mobilizações de organizações criminosas em vários estados se especializando em acusar magistrados de corrupção, tudo para bloquear a ação da justiça criminal. Isso já aconteceu no Goiás e no Pará”.

Leia mais  
Por que a justiça deixa livre os assassinos? Por que não prende as facções criminosas?

Ao JB, o ministro Marco Aurélio chegou a comparar os poderes do Coaf ao serviço de espionagem soviético.

“Eu fiquei pasmo quando veio à tona a notícia de que 230 mil pessoas tiveram o sigilo quebrado, e fiquei mais pasmo ainda com a atuação da Coaf, um órgão digno da KGB em termos de controle de vidas alheias”, observou o ministro do STF.

Outro lado

A suposta conspiração contra o Judiciário não convence juristas favoráveis à manutenção dos poderes do CNJ. Para eles, a tentativa da AMB de proteger o sigilo dos magistrados e reduzir o poder de investigação do CNJ reforça o corporativismo do Judiciário, numa tentativa de mantê-lo alheio à fiscalização.

“Não há campanha alguma contra a imagem do Judiciário”, garante o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ), Wadih Damous. “O que acontece é que associações como a AMB estão arranhando a imagem dos juízes justamente por estarem se agarrando a este sigilo. Se elas agissem de maneira mais transparente, não haveria crise alguma”.

Segundo Coaf, 205 membros do Judiciário têm operações suspeitas

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou 205 membros da magistratura ou servidores cuja movimentação atípica tem indícios de irregularidade. Esse grupo do judiciário teria movimentado, entre 2000 e 2010, R$ 594,1 milhões. As informações são do jornal O Globo.

De acordo com o presidente do Coaf, Antonio Rodrigues, “na maioria das vezes”, os Relatórios de Inteligência Financeira (Rifs), apontam casos nos quais a Polícia Federal e o Ministério Público constatam irregularidades. A PF do Rio de Janeiro abriu nesta quarta-feira um inquérito para investigar a movimentação atípica de R$ 282,9 milhões feita por um servidor do Tribunal Regional do Trabalho do Rio (TRT-RJ), em 2002. Ontem, a presidente do órgão, Maria de Lourdes Sallaberry, disse que não tem qualquer informação sobre o servidor, que, segundo a Coaf, teria sido um doleiro.

Operação atípica no TRT-RJ foi de doleiro, diz Coaf

Antonio Gustavo Rodrigues, disse nesta terça-feira que o servidor do Judiciário do Rio que aparece no relatório do órgão com movimentações financeiras atípicas de R$ 282,9 milhões é um ex-doleiro que já é alvo de investigação da polícia. “No fundo, boa parte da movimentação dessa pessoa é porque, antes de estar no Judiciário, ela tinha uma participação numa casa de câmbio, uma sociedade, e nos nossos bancos de dados ela apareceu com essas movimentações”, disse. As informações são do jornal O Globo.

Rodrigues afirmou que o funcionário do Tribunal Regional do Trabalho do Rio já havia sido preso, mas não revelou sua identidade e nem a função que exerce no tribunal. Relatório feito pelo Coaf, a pedido do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), listou cerca de 3,5 mil movimentações financeiras atípicas, envolvendo servidores da Justiça (magistrados e funcionários) de todo o país entre 2000 e 2010. O documento deu início a uma investigação da corregedoria do conselho. Em dezembro, a apuração foi interrompida por liminar do Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido de entidades da magistratura.

As informações que transcrevo são de facções criminosas?

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s