Um desastre de governo

Um governo de podres fios de algodão e arames enferrujados. O povo como marionete.

O simbolismo do fio é essencialmente o do agente que liga todos os estados da existência entre si, e ao seu Princípio.

O fio do destino do Rio de Janeiro tem como fiandeiras uma justiça, um legislativo, um executivo que o povo não confia.

Cidade de mais de mil favelas, onde a polícia chega atirando.

Cidade de muros que segregam os miseráveis. De muros nos condomínios de luxo também fechados.

Cidade dividida em guetos.

Cidade das tragédias anunciadas.

De onde o governador sempre foge.

Fora do Rio, Sérgio Cabral viu a morte do seu mais recente amor em uma queda de helicóptero. Numa paradisíaca ilha da Bahia de Todos os Santos e de Todos os Pecados.

Um amor encoberto.

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Um comentário sobre “Um desastre de governo”

  1. A gente sabe das falcatruas que permeiam a grande roda que movimenta o Estado
    tanto que dificilmente nos surpreendemos com alguma coisa, mas…aquele arame me chocou.
    É o máximo do descaso com a sociedade.
    Me senti envergonhada…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s