Denuncio para o CNJ

Eric Jensen

O Conselho Nacional de Justiça – CNJ precisa, urgentemente, investigar o caso Christine Epaud. Ou melhor, o despacho duvidoso do desembargador Aderson Sivino, que deu, de mão beijada e leve, dois hotéis para criminosos noruegueses.

O caso é do mais alto interesse público.
É uma história de terror, de recibos assinados na cadeia, sob coação.
É uma história mambembe, circense, de recibos pré-datados, o famoso conto-de-vigário.
É uma história de suspense, o realismo fantástico, de recibos a menos e, pasmem! de recibos a mais.

Recibos que o desembargador Aderson Sivino autenticou.

É uma história safada que envolve o judiciário do Rio Grande do Norte. Com ameaças de morte. Uma transa de “vultuosa soma”, definiu o desembargador Aderson Sivino em despacho.

Pergunto ao Conselho Nacional de Justiça:
– Como se pode comprar um hotel, que vira dois, com dinheiro de origem desconhecida?

Um dos hotéis, o Chalezinho Francês, na Praia do Meio, em Natal “Paraíso do Crime”, virou sede de empresas (quatro registradas na Receita Federal) de lavagem de dinheiro e outros crimes.

Como validar a compra de um hotel com dinheiro de destino desconhecido?
Dinheiro fantasma, invisível.

Dinheiro que se desconhece o valor. Pelos recibos são mais de um milhão. Pelo despacho do desembargador Aderson Sivino: Cr$ 650.000,00.

Quem venderia dois hotéis por preço tão desvalorizado?

E onde está este dinheiro?

A vítima deste caso é um setuagenário, que está ameaçado de morte (o desembargador Aderson Sivino jura que é um caso sem coação). Está de morte anunciada. Inclusive eu, por denunciar a safadeza. Aderson Sivino sabe dessa jura de morte matada.

A vítima pode morrer antes. De morte morrida. O caso esteve engavetado por oito anos. Isso abalou a saúde da vítima da justiça e da bandidagem.
Está sem dinheiro, cardíaco, depressivo e diabético.

Trata-se de um ancião honrado. Fundou, quando jovem, o MDB em Pernambuco, no governo do ditador Castelo Branco, com Marcos Freire, com o senador Jarbas Vasconcelos, de quem é amigo. Sempre teve como exemplo o tio, o inesquecível deputado Djalma Aranha Marinho.

Tem um homem que conhece os quadrilheiros acoitados em Natal, no Chalezinho Francês, e representados pela falsária Christine Epaud, laranja que usa vários sobrenomes.

Eric Jensen (foto) quebrou parte do paraíso norueguês. Parte. Existe por inteiro o paraíso francês de Epaud. E o espanhol.

Eric Jensen é o homem por trás da parte norueguesa da ação que levou a 25 detenções e apreensão dos bens de 300 milhões.

P.S.: Vou continuar com as reportagens:

Quem são os sócios de Christine Epaud

e Eu acuso

Talis Andrade, jornalista profissional

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s