BNDEs, o sócio fantasma


O assalto da quadrilha de Salvatore Cacciola, condenada e solta, no gozo da devassidão, desnudou a corrupção que lambuzou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social no governo Fernando Henrique.

Essa má fama faz o BNDEs receber propostas indecentes. A proposta da compra do Carrefour, por 4,5 bilhões, é uma delas.

Para comprar o Carrefour, o cara pediu 3,5 bilhões para o Governo brasileiro. Isso é fazer negócio com a mão abanando.

Outro lado doce dessa história: o gargalo do monopólio do varejo de alimentos. Desde que a Companhia Brasileira de Distribuição (CBD), holding que detém as lojas do Pão de Açúcar, Compre Bem e Extra, aumentaria seu poder de controle com a inclusão do Carrefour. Praticamente sem concorrência, passaria a ditar os altos preços dos alimentos que faltam na mesa do brasileiro.

Tem mais. Não era um empréstimo.
O BNDEs entraria como sócio.
Certamente que minoritário. Minoritário mesmo. Bote minoritário na jogada.
A mania de ser sócio minoritário virou vício do BNDEs.

 

 

Publicado por

Talis Andrade

Jornalista, professor universitário, poeta (13 livros publicados)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s